quinta-feira, 30 de julho de 2009

Dissertação: Investigação de rotas de exposição a contaminantes ambientais na Baixada Santista: água e alimentos

Autora: Michele Granato Cunha

Resumo

A região do estuário de Santos/São Vicente é um importante exemplo de poluição ambiental de origem industrial. São encontradas na região substâncias tóxicas que podem provocar efeitos deletérios à saúde humana desde que exista uma forma do indivíduo entrar em contato com o poluente. Identificar a presença de uma possível rota de exposição é, portanto, etapa primordial nas investigações de contaminação ambiental. O objetivo desta dissertação foi o de avaliar a freqüência do consumo de alimentos produzidos localmente e da água utilizada nas áreas analisadas, investigando sua relevância como possível rota de exposição aos poluentes ambientais. O estudo faz parte de um amplo projeto financiado pelo CNPq intitulado Estudo Epidemiológico na População Residente na Baixada Santista-Estuário de Santos: Avaliação de Indicadores de Efeito e de Exposição à Contaminantes Ambientais que tem como objetivo estimar os efeitos à saúde associados à exposição aos contaminantes ambientais entre os moradores da Baixada Santista. O presente estudo, de desenho transversal, preliminar e exploratório, avaliou 236 domicílios de dois bairros de São Vicente, próximos a uma área contaminada, e 251 domicílios de um bairro de Bertioga, onde não existe contaminação conhecida. Foi aplicado um questionário estruturado e pré-testado para obtenção dos dados e para avaliar as associações entre local de moradia e tipo e freqüência de água e de alimentos consumidos. Adotou-se o teste qui-quadrado para testar associações entre as variáveis qualitativas. Houve associação significativa entre bairro de moradia e tipo e freqüência de água e alimentos consumidos. Em São Vicente 68,2% dos moradores utilizam para beber a água fornecida pela Sabesp por mais de 8 anos, enquanto que em Bertioga este número é de 42,6% (plt;0,05). Em São Vicente 57,2% dos moradores tratam a água antes do consumo, em Bertioga este número é de 41,8% (plt;0,05). O consumo de água ou de produtos alimentícios de origem local, nos dois bairros, é evento extremamente raro. Pode-se concluir que apenas a água tratada disponível para as comunidades analisadas e que, no caso de São Vicente, passa por solo contaminado, pode ser encarada como uma potencial rota de exposição aos contaminantes ambientais. A análise qualitativa e quantitativa de seus elementos poderá confirmar a hipótese.

Confira o material completo aqui!
Postar um comentário